• Carla

MISTÉRIOS DA HUMANIDADE


Não tenho escrito.... na verdade não é por falta de vontade, mas sim devido a uma excelente desculpa, como passo a explicar. Tenho andado a matutar há algum tempo nalguns mistérios que não consigo resolver, e isso tem-me deixado pouco tempo livre.

Acredito que são muitíssimo difíceis de desvendar e, como não consigo lá chegar sozinha, lembrei-me de escrever sobre eles, quem sabe alguém tem a solução?


Mistérios 1 e 2 - O que se passa com a fadista Mariza para não precisar de abraços no Inverno? Em "Quem me dera" suplica por eles no outono, no verão e na primavera, mas no inverno, em que supostamente está mais frio... nada! Se calhar tem uma lareira potente e os abraços só lhe fariam afrontamentos nessa altura... para além disso, é também mistério como ainda passam essa música na rádio, sabendo-se que hoje em dia, em nenhuma estação do ano devemos pedir abraços seja a quem for... não entendo.


Mistério 3 - Por que raio é que, tantas vezes, as torneiras dos lavatórios de sítios públicos ficam mesmo rente à respetiva bacia? Porquê? A bacia é larga, há espaço suficiente, e depois vai-se lavar as mãos e temos que as manter apertadinhas no pequeno espaço onde a água chega, a roçar na torneira, na bacia, no ranço alheio... E logo agora que a lavagem deve ser completa e duradoura! A minha teoria é que se opta por comprar a torneira a secção dos refugos/com defeito, para poupar dinheiro, e depois quem se lixa é o utilizador.


Mistério 4 - Ainda dos tempos em que passeava em centros comerciais, lembro-me de muitas vezes ser uma verdadeiro desafio descobrir o preço das peças de roupa, naquelas lojas cheias de classe, com aroma e música ambiente, empregados de fato e gravata e em que nos oferecem água aromatizada... Cheguei a ir de propósito a uma ou outra numa tarde mais aborrecida, em vez de me por a fazer charadas ou palavras cruzadas. Que animação era tentar descobrir preços em menos de 5 minutos! E acabar a estraçalhar toda aquela perfeição de dobragem e apresentação para dar com o raio da etiqueta tão bem escondida e camuflada, só possível de alcançar pelo tal método do estraçalhanço. O mistério que não me sai da cabeça é que se calhar na verdade me queriam oferecer os artigos e eu é que nunca percebi.... ou então sou tão fuleira que me interessa saber o preço das coisas antes de as comprar... que falta de elegância, peço desculpa!


Mistério 5 - Porque é que as dobragens das séries juvenis são feitas com vozes que arranham/insultam/agridem os ouvidos mais resistentes? Será de propósito para ajudar a combater o excesso de horas em frente à TV dos jovens? Só pode.


Mistério 6 - Voltamos à Mariza. Não é por nada, mas as letras alternativas devem ser mesmo o seu forte, só que a mim fazem-me espécie!

Então não é que no seu mais recente anúncio à NOS andou para aí a cantar que ri de cansaço? Que mulher estranha! Rir de cansaço? É mistério para mim, pobre de energia, como é que o cansaço pode dar risota! A mim de duas uma: ou me dá para chorar ou então para me atirar para o chão desfalecida! Rir, nem por isso. É tal e qual como maquilhar-me antes de me deitar, também nunca me apeteceu... acho que a canção do Agir é-me dedicada e não tinha dado por isso.


Mistério 7 - Onde raio é que se metem os elásticos para o cabelo que passo a vida a comprar e desaparecem sempre?


Photo by Jules Bss on Unsplash